Home | Cadastro | Nossos Serviços | Contato | Chat Domingo, 27 de Setembro de 2020
Conecte-se     
 Nutrientes
 Doenças
 Tipos de Dieta
 Notícias

Frase
A coragem começa quando você passa a entender que você a tem. A coragem cresce forte em vitalidade cada vez que é usada.
Jim Petersen

 » Adiciona Favoritos

IP Address Location

2 usuários online »»» 2 convidados - mais... Lista de Membros 5617 membros

Bulimia Nervosa

            A bulimia nervosa é um transtorno com característica predominante de orgia alimentar, que significa a ingestão incontrolável, muito rápida dos alimentos em um curto período de tempo e em quantidades exacerbadas. Comparada à fome de um boi, a palavra bulimia tem sua etimologia originada do grego; BOUS (boi) e LIMOS (fome).

Essa doença é encontrada com maior incidência em adolescentes mais velhos, onde os pacientes em um período de tempo têm um tipo de compulsão alimentar, forçando um vômito após a ingestão exagerada de energia, ocorrendo desconforto abdominal e sono. Juntamente ocorre o sentimento de culpa, depressão (chamada também de “angústia-pós-comilança”) e auto-aversão[1]. Usam de laxantes e diuréticos. Esse primeiro tipo é chamado de purgativo. Os bulímicos do tipo não purgativo controlam seu peso através de uma dieta rígida, jejum ou exercício físico em excesso.

Muitos dos pacientes estão envolvidos com certas profissões, como é o caso dos jóqueis, atletas, manequins, bailarinas e etc.

A principal característica dos bulímicos é o episódio chamado “binge-eating” ou “comer-compulsivo”. Esse comportamento é descrito com uma ingestão de alimentos muito energéticos (calóricos), de forma compulsiva, num curto espaço de tempo (inferior a duas horas), até o limite da capacidade gástrica, ingerindo até 20.000Kcal durante um episódio (o máximo já registrado). [2]

Os alimentos ingeridos nestes episódios consistem em doces, biscoitos, na maioria carboidratos que geralmente são excluídos de sua dieta. 

Aproximadamente 30% dos casos de bulimia nervosa, são de indivíduos que já apresentaram anorexia nervosa, porém essa de pouca duração. Na bulimia raramente há uma perda de 15% do peso do corpo.

Existe um outro subgrupo de bulímicos, os chamados multiimpulsivos, que não têm a capacidade de controlar os impulsos. Esses pacientes abusam de álcool e drogas, podendo também exibir um comportamento de automutilação e furtos. Esses doentes podem ter passado por abuso sexual.

Os pacientes com esse distúrbio alimentar não têm hábitos de comer regularmente e ao final das refeições não se sentem saciados, preferindo sempre se alimentar em suas casas, porém, sozinhos.

Os bulímicos podem ser genética ou fisiologicamente predispostos a terem essa doença, pois uma grande parte dos pacientes vem de famílias com membros alcoólatras e depressivos, que são duas características para desenvolvimento do distúrbio alimentar (isso também explica grande parte dos pacientes deprimidos). Existe uma luta para a separação maternal por parte do próprio doente, podendo ser tanto consciente como inconsciente. Sempre procuram brigar com a mãe e com isso afastar-se dela. 

A quantidade de alimentos que esses doentes ingerem é considerada por eles um exagero, por isso auto-induzem o vômito, é um segredo apenas dos próprios pacientes. Muitas vezes não passa de uma ingestão normal de energia.

As complicações orgânicas são bem aparentes nos bulímicos, como: hipertrofia das glândulas parótidas, lesão de pele no dorso da mão e desgaste dentário provocado pelo suco gástrico dos vômitos.[3]

O tratamento para esses pacientes é muito parecido com o dos anoréticos, podendo também necessitar de internação. Precisam de uma dieta balanceada e com quantidades adequadas de alimentos. Necessitam durante e depois de acompanhamento psicológico. O bulímico evita o tratamento por ter vergonha e em função de humilhação, e não por negar o seu comportamento alimentar anormal. No bulímico com compulsão purgativa existe uma melhora de aproximadamente 50%. Algumas recomendações básicas devem ser dadas aos pacientes com bulimia nervosa como podemos observar no TEXTO 2.

Sem um tratamento eficaz, o indivíduo que apresentou bulimia nervosa, pode ter recaídas em períodos de exigências emocionais.

 

NOVA DROGA COMBATE A BULIMIA

 

O medicamento foi desenvolvido por uma equipe da Universidade de Minnesota, nos Estados Unidos.

O remédio reduziu os efeitos da bulimia; ele vem sendo utilizado para combater efeitos colaterais da quimioterapia, como a náusea e o vômito.

Como a builimia provoca fome insaciável, levando ao consumo exagerado de alimentos, e depois ao vômito induzido.

Das 26 mulheres que participaram da pesquisa, 14 tomaram o novo remédio e as outras 12 utilizaram tratamentos convencionais. As que usaram o medicamento novo tiveram resultados melhores. A fome diminuiu e houve poucos casos de vômito. Considerada uma doença de causa psicológica, os tratamentos de combate à bulimia se baseiam em psicoterapia, antidepressivos e dieta equilibrada e disciplinada.

O novo remédio, no entanto parte da hipótese de que também exista uma causa fisiológica.



[1] Talbott, John A. et al: Tratado de Psiquiatria. Porto Alegre: Artes Médicas, 1992.

[2] http://www.brazilpednews.org.br/marco99/ar999002.htm

[3] Mitchell e cols, 1990. Retirado do livro Psiquiatria Básica organizado por Rodrigues, Mario et al. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995

 

Veja também os dados numéricos sobre os Distúrbios Alimentares


 Nutrição Esportiva
 Nutrição Materna
 Nutrição na:
 Outros
 Links

 Clique Fome



(avançado...)

Os melhores livros sobre nutrição. Visite e compre seus livros
      [ processado em: 1,60 segundos.]  privacidade | licença | © 2001, Dammous.