Home | Cadastro | Nossos Serviços | Contato | Chat Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2022
Conecte-se  /principal :: principal : trabalhos   
 Nutrientes
 Doenças
 Tipos de Dieta
 Notícias

Frase
A confiança provém não de se ter sempre razão, mas de não se ter medo de errar.
Peter T. McIntyre

 » Adiciona Favoritos

IP Address Location

1 usuários online »»» 1 convidado - mais... Lista de Membros 5627 membros

Fibras X Constipação

SÃO PAULO, 2001

 

1.      TÍTULO

A constipação intestinal está relacionada à saciedade que as fibras solúveis promovem no estômago?

2.   AUTORES

DAMMOUS, Raquel; CAMPOS, Tarcila; NUNES, Marina; FIORATTI, Flávia; MAITAN, Laura; CASSAB, Cristina; BARROS, Daniela; MONTENEGRO, Gabriela; MADEIROS, Roberta* ; Zampini ,Regina C.*

3.   ENDEREÇO

Centro Universitário São Camilo – Curso de Nutrição

Av. Nazaré, 1.501 - Ipiranga - CEP 04263-200 - São Paulo - SP- Brasil

E-mail para correspondência: quel@dammous.com

* Orientadoras

RESUMO     

Constipação é uma condição na qual a freqüência ou quantidade de defecação é reduzida. A constipação intestinal é definida de muitas maneiras diferentes de acordo com cada autor. As fibras são classificadas como insolúveis, que auxiliam principalmente o trânsito intestinal, e as solúveis que têm como principal característica a capacidade de formar géis que desaceleram a passagem do alimento pelo tratogastrointestinal. Estas estão ligadas à saciedade e também aumentam o peso do bolo fecal. Contudo, o objetivo do trabalho é reafirmar o efeito benéfico da fibra alimentar em relação à constipação intestinal e propor um estudo baseado na hipótese. Foi realizada uma revisão bibliográfica de artigos científicos, desde o ano de 1991 a 2000. Em todos os estudos revisados foram demonstrados os efeitos benéficos da fibra na constipação.Enquanto um deles observou que quanto mais fibra menor o risco de se ter a doença, um outro demonstrou que, com a fibra, houve uma significativa melhora nos resultados dos parâmetros analisados nas fezes de indivíduos avaliados. A constipação é prevenida pela ação que as fibras exercem no colón, induzindo a estimulação osmótica (produção de gases) e mecânica (retenção de água). Através das referências consultadas, foi observado que as fibras têm a propriedade de prevenir a constipação intestinal acelerando o trânsito do bolo fecal. Porém, constatou-se que as fibras solúveis retardam a passagem do bolo alimentar pelo tratogastrointestinal, o que sugere uma adversidade em relação à ação destas fibras atuando sobre o distúrbio estudado.

Introdução

Constipação é uma condição na qual a freqüência ou quantidade de defecação é reduzida (KRAUSE,1998). A constipação intestinal é definida de muitas maneiras diferentes de acordo com cada autor. De uma forma geral, ela é dada conforme a quantidade do bolo fecal em gramas, consistência do mesmo, quantidade de evacuações por semana, dificuldades para evacuar e dores abdominais.

Fibras são substâncias encontradas em alimentos de origem vegetal que são eliminadas pelo organismo quase que intactas ou no máximo dissolvidas.

As fibras são classificadas como insolúveis, que auxiliam principalmente o trânsito intestinal, e as solúveis que, além da propriedade de melhorar a constipação, são capazes de formar géis que desaceleram a passagem do alimento pelo tratogastrointestinal, estando ligadas à saciedade, atrasando a absorção de fatores dietéticos (KRAUSE, 1998).

Objetivos

Reafirmar o efeito benéfico da fibra alimentar em relação ao distúrbio da constipação intestinal. A partir deste trabalho, propomos a realização de um estudo baseado na nossa hipótese.

Hipótese

A constipação intestinal está relacionada à saciedade que as fibras solúveis promovem no estômago, causando o retardamento no esvaziamento do mesmo?

Metodologia

Foi realizada uma revisão bibliográfica de artigos científicos, relacionando a constipação intestinal à fibra, desde o ano de 1991 a 2000.

Resultados

No estudo de ROMA et al foi constatado que as crianças que ingerem menor quantidade de fibra na dieta, possuem um risco relativo 8 vezes maior de ter o distúrbio da constipação, como podemos observar na seguinte tabela:

 

 

Risco relativo de constipação e fibra ingerida[1]

                       Fibra (g/24h)

     Risco relativo

                   > 29.0

              1.0

                     22.3 - 29.0

              2.2

                    17.1 - 22.2

              3.3

                     12.4 - 17.0

              4.9

                  < 12.4

              8.0

De acordo com SEVÁ-PEREIRA et al uma dieta rica em fibras atua de maneira benéfica na constipação intestinal melhorando os efeitos deste distúrbio demonstrados na tabela a seguir.

Resultados obtidos para os parâmetros avaliados nas fezes de oito indivíduos com constipação intestinal simples, em relação à dieta normal e a dieta acrescida de 23g de fibra/dia[2]

 

Dieta Normal

Dieta com Fibras

 

 

Fezes

 

Média

 

Média

 

p

N° evacuações/dia

0,3

0,8

<0,01

Peso (g/dia)

38,3

117,4

<0,05

Água (g/dia)

29,1

91,0

<0,05

Matéria seca (g/dia)

9,1

26,4

<0,02

Fibra (g/dia)

1,6

8,5

<0,001

Discussão

A partir dos resultados, observa-se que uma dieta rica em fibras alimentares beneficia a prevenção da constipação intestinal. Isso ocorre devido à ação que as fibras exercem no colón, induzindo a estimulação osmótica (produção de gases) e mecânica (retenção de água).

Segundo o artigo de revisão de MORAIS et MAFFEI, 2000, ao que tudo indica, o controle da constipação, a longo prazo e na idade adulta, depende da incorporação de hábitos alimentares que proporcionem quantidade adequada de fibra alimentar que pode ser importante, inclusive, para melhorar as condições de saúde e ajudar a prevenir a ocorrência de outras doenças. 

Conclusão

Através das referências consultadas, foi observado que as fibras têm a propriedade de prevenir a constipação intestinal acelerando o trânsito do bolo fecal. Porém, constatou-se que as fibras solúveis retardam a passagem do bolo alimentar pelo tratogastrointestinal o que sugere uma adversidade em relação à ação destas fibras atuando sobre o distúrbio estudado.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

MAHAN, L. Kathleen; ESCOTT-STUMP, Sylvia; tradução Andréa Favano. Krause: Alimentos, Nutrição e Dietoterapia. 9 ed. São Paulo: Roca, 1998.

MORAIS, Mauro B.; MAFFEI, Helga V.L. Constipação intestinal. Jornal de Pediatria, v. 76, supl. 2, p. 147-156, 2000. 

ROMA, Eleftheria et al. Diet and chronic constipation in children: the role of fiber. Journal of Pediatric Gastroenterology and Nutrition, v. 28, n. 2, p. 169-174, fev. 1999.

SEVÁ-PEREIRA, Adriana et al. Uso de biscoito rico em fibras no tratamento da constipação intestinal crônica. Rev Paul Med 109 (6), p. 265-267, nov./dez. 1991.

Observações: Este trabalho esta numa forma resumida, pois foi apresentado em forma de painéis para exposição em Congresso.


[1] ROMA et al, mais detalhes nas Referências Bibliográficas.

[2] SEVÁ-PEREIRA et al, mais detalhes nas Referências Bibliográficas.

Voltar à Trabalhos


 Nutrição Esportiva
 Nutrição Materna
 Nutrição na:
 Outros
 Links

 Clique Fome



(avançado...)

Os melhores livros sobre nutrição. Visite e compre seus livros
      [ processado em: 2,23 segundos.]  privacidade | licença | © 2001, Dammous.